18 de outubro de 2021
  • compartilhar:

Assista à conferência do professor Walmir Coutinho e a todas as aulas do CBOSM 2021

Quem acompanhou a abertura do XIX Congresso Brasileiro de Obesidade e Síndrome Metabólica, no dia 23 de setembro do mês passado, sabe que o evento iniciou com uma merecida homenagem: o professor Walmir Coutinho recebeu das mãos do endocrinologista Alexander Benchimol a  Comenda Alfredo Halpern. 

“Trata-se de um dos maiores representantes do Brasil no combate à obesidade, responsável por uma incessante busca da compreensão dos mecanismos por trás dessa doença”, disse, na ocasião, o professor Benchimol. E ainda lembrou: “O termo comenda tem a ver com um reconhecimento da valentia em batalhas. E podemos considerar Walmir Coutinho um grande guerreiro.”

Aliás, podemos até dizer que o professor Coutinho contribuiu nas batalhas contra a obesidade que acontecem pelo mundo inteiro — e isso não apenas por sua vasta produção científica publicada em revistas internacionais, mas por ter sido presidente da World Obesity Federation entre 2014 e 2016.

“Se já estava emocionado com essa iniciativa vinda da Abeso, agora fiquei ainda mais comovido com as palavras do meu amigo Alexander Benchimo. E destaco o fato de essa comenda ter o nome de outro amigo, o principal líder na história brasileira do estudo da obesidade, que foi o Alfredo Halpern”, declarou o homenageado.

Diretor do Departamento de Medicina da PUC do Rio de Janeiro e professor livre-docente pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, na sequência ele fez uma brilhante palestra sobre os avanços e os atuais desafios em relação ao excesso de peso.

“Mesmo no auge da pandemia de covid-19, devemos reconhecer que a obesidade matou muito mais gente do que a própria infecção pelo Sars-CoV 2”, afirmou e o professor logo no início de sua apresentação, mostrando todos os números.

 “Vale eu lembrar que 40% dessas mortes foram por causas cardiovasculares”, frisou. “E que boa parte das pessoas que morrem por algum problema decorrente do acúmulo gordura corporal tem um IMC entre 25 e 29,9 quilos por metro quadrado. Ou seja, elas não têm ainda obesidade, mas já morrem por causa do excesso de peso.”

Walmir Coutinho explicou detalhadamente por que é tão importante combater as múltiplas causas ambientais que levam um indivíduo a engordar além da conta. “Se continuarmos olhando apenas para o tratamento clínico do paciente com obesidade, teremos um resultado muito fraco”, garantiu.

Para dar um exemplo, ele exibiu o mapa de  Nova York, nos Estados Unidos. “Na ilha de Manhattan, é muito fácil ir a pé da um lugar a outro, enquanto a facilidade para se deslocar caminhando cai em bairros como o Bronx e o Brooklyn. Neles, as pessoas usam mais carro e outros meios de transporte”, apontou. “Não à toa, os gráficos mostram que a prevalência de obesidade é menor em Manhattan.”

E assim seguiu, apresentando outras referências. Também discorreu sobre a importância do plano alimentar, os bastidores da criação do Dia Mundial da Obesidade, que originalmente ocorria em outubro, e sobre as lacunas de conhecimento tanto dos médicos quanto dos pacientes sobre os tratamentos para emagrecer baseados em evidências científicas.

Aos congressistas que, por algum motivo, perderam essa apresentação ou gostariam de revê-la, temos uma ótima notícia: todas as aulas do congresso já estão disponíveis aos participantes inscritos, que têm 90 dias para assistir à programação completa. Basta visitar a plataforma do evento e fazer o seu login.

assine nossa newsletter

    nome
    e-mail
    especialidade