07 de fevereiro de 2008
  • compartilhar:

Evento Aborda Diagnóstico e Manejo de Dislipidemia e Obesidade

07 de Fevereiro de 2008
Por Flavia Garcia Reis


Em março, São Paulo será sede do CODDHI 2008 (Controvérsias em Obesidade, Diabetes, Dislipidemias e Hipertensão). O evento acontece nos dias 14 e 15 e tem o apoio da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). A idéia dos organizadores é reunir 400 médicos, dentre endocrinologistas, diabetologistas, geriatras, cardiologistas e clínicos gerais.

Os doutores Luiz Turatti e Marília Brito Gomes estão à frente do CODDHI, que abordará aspectos relacionados ao diagnóstico, seguimento e manejo do diabetes, obesidade, dislipidemia e hipertensão.

Durante o evento serão sorteados 4 notebooks aos presentes. As inscrições estão abertas e devem ser feitas por intermédio da Grow Up Eventos (
www.growup-eventos.com.br, tel: (11) 3044-1399).

Veja, a seguir, o programa científico preliminar:


14/03/2008 – Sexta-feira


Sala 1 – Obesidade e Diabetes

14h – Existe um melhor alvo glicêmico a ser atingido na prática clínica?
Coordenadora: Regina Moisés (SP)
– Glicemia de jejum e/ou Glicemia pós-prandial – João Roberto de Sá (SP)
– HbA1c e/ou Média da glicemia – Adolpho Milech (RJ)
– Variabilidade glicêmica – Sérgio Dib (SP)
Debate

15h30 – Visita à Exposição – Coffee Break

16h – DM1-É realmente possível atingirmos as metas estabelecidas sem hipoglicemias?
Coordenador: Walter Minicucci (SP)
– Hipoglicemia: Barreira para normoglicemia? – Balduino Tschiedel (RS)
– Contagem de Carboidratos: Quando, Como e para Quem? – Solange Travassos (RJ)
Existe uma melhor forma de tratamento para o DM1?
– Múltiplas Doses de Insulina (Basal-Bolus) – Márcia Nery (SP)
– Os Novos Sistemas de Infusão Contínua (Bomba de Insulina) – Levimar Araújo (MG)
Debate

17h45 – CONFERÊNCIA: Perspectivas Terapêuticas para o DM2: As vias de sinalização da insulina nos diferentes órgãos e tecidos – Mário Saad (SP)
Coordenador: Roberto Raduan (SP)

Sala 2 – Dislipidemia e Hipertensão

14h – Alvos pressóricos nos pacientes portadores de hipertensão arterial
Coordenador: Ayrton Brandão (RJ)
– Iniciando o tratamento da hipertensão arterial: acurácia das mensurações da P.A.
(aparelhos e pessoas) e alvos pressóricos no jovem e idoso – Felipe Sanjuliani (RJ)
– Até quando o tratamento agressivo da hipertensão arterial no paciente com doença
coronariana é benefício? – Sérgio Kaiser (RJ)
– Relação custo/benefício do tratamento agressivo da pressão arterial diastólica –
Ayrton Brandão (RJ)
Debate

15h30 – Visita à Exposição – Coffee Break

16h – Tratamento da hipertensão arterial e da microalbuminúria: Relação custo/benefício
Coordenador: Emílio Francischetti (RJ)
– Exercício físico: Quando e como deve ser indicado para prevenção e tratamento da
hipertensão arterial? – Carlos Negrão (SP)
– Inibidores da ECA e antagonistas de receptor de angiotensina: Qual a 1a opção
Terapêutica – Maria Teresa Zanella (SP)
– Diuréticos tiazidícos, bloqueadores de canal de cálcio e beta bloqueadores: Relação
custo/benefício de sua indicação – Osvaldo Kohlmann Junior (SP)
– Novas perspectivas: antagonistas da aldosterona e renina, inibidores da endotelina e
da PKC beta II – Emílio Francischetti (RJ)
Debate

17h45 – CONFERÊNCIA: Tratamento da hipertensão arterial no paciente com alteração do metabolismo glicídico: Uma análise crítica – Artur Beltrame Ribeiro (SP)
Coordenadora: Maria Teresa Zanella (SP)


15/03/2008 – Sábado


Sala 1 – Obesidade e Diabetes

8h – Diabetes e Incretinas
Coordenador: Osmar Monte (SP)
– Qual a participação das incretinas na fisiopatologia do diabetes? – MarcosTambascia (SP)
– Análogos do GLP-1 e inibidores do DPP-4: Existe uma melhor escolha?
– Análogos do GLP-1 – Reine Fonseca (BA)
– Inibidores do DPP-4 – Rosângela Réa (PR)
– Os análogos de GLP-1 e inibidores de DPP-4 poderão mudar o algoritmo do tratamento do diabetes tipo 2?
– Sim – Edgard Niclewicz (PR)
– Não – Leão Zagury (RJ)
Debate

10h – Visita à exposição – Coffee Break

10h30 – Tratando os múltiplos fatores de risco cardiometabólicos do paciente diabético
Coordenador: Saulo Cavalcanti (MG)
– O rimonabanto será uma opção:
– Sim – Alfredo Halpern (SP)
– Não – Nelson Rassi (GO)
– O ganho de peso com drogas utilizadas em psiquiatria – Saulo Cavalcanti (MG)
– As novas cirurgias adaptativas intestinais podem ser uma opção?
– A visão do endocrinologista – João Eduardo Salles (SP)
– A visão do cirurgião – Sérgio Santoro (SP)
Debate

12h45 – Almoço

14h – CONFERÊNCIA: Manejo do paciente diabético hospitalizado – Jorge Gross (RS)
Coordenadora: Marilia B. Gomes (RJ)

14h45 – Iniciando o tratamento medicamentoso do paciente com DM2: Relação custo/benefício
Coordenadora: Sandra Ferreira Vivolo (SP)
– Preservando/Regenerando as células beta: Os modelos animais vs seres humanos – Maria Lúcia Giannella (SP)
– Análise crítica das opções farmacológicas no algoritmo de tratamento do DM2
– Metformina – Antonio Carlos Lerário (SP)
– Sulfoniluréias e Glinidas – José Egídio Oliveira (RJ)
– Glitazonas – Amélio Godoy-Matos (RJ)
– Inibidores da DPP-4 – Antonio Carlos Pires (SP)
– Insulinas – Adriana Costa e Forti (CE)
Debate

17h15 – Visita a exposição

17h30 – O avanço da terapêutica está facilitando na prática clínica a obtenção dos alvos clínicos e laboratoriais?
Coordenadores: Luiz Turatti (SP) e Marília B. Gomes (RJ)
– A visão do endocrinologista – Bernardo Léo Wajchenberg (SP)
– A visão do cardiologista – José Antonio Ramires (SP)

Sala 2 – Dislipidemia e Hipertensão

8h – Investigando e tratando a hipertensão arterial em situações especiais
Coordenador: Décio Mion (SP)
– Como investigar e tratar a hipertensão arterial do avental branco e mascarada no paciente com diabetes?:
– A visão do endocrinologista – Luis Canani (RS)
– A visão do cardiologista – Dante Giorgi (SP)
– Como diagnosticar e tratar a hipertensão arterial no paciente diabético com hipotensão ortostática? – Décio Mion (SP)
– Controvérsias no diagnóstico da microalbuminúria
– A visão do endocrinologista – Mirella Azevedo (RS)
– A visão do pesquisador – Eduardo Tibiriça (RJ)
Debate

10h – Visita à Exposição – Coffee Break

10h30 – Estratificando o risco cardiovascular na prática clínica
Coordenador: Raul D. Santos (SP)
– Os novos marcadores agregam real benefício na estratificação do risco cardiovascular?
– Sim – Raul D. Santos (SP)
– Não – Luiz Machado César (SP)
– Quando indicar a investigação da doença coronariana no paciente diabético assintomático?
– A visão do endocrinologista – Roberto Betti (SP)
– A visão do cardiologista – Sergio Ferreira Oliveira (SP)
– A avaliação da função endotelial é realmente importante na prática clínica?
– A visão do clínico – Sérgio Kaiser (RJ)
– A visão do pesquisador – Eduardo Tibiriçá (RJ)
Debate

12h45 – Almoço

14h – CONFERÊNCIA: Glitazonas e Risco Cardiovascular: Existe uma resposta definitiva?
Raul D. Santos (SP)
Coordenador: Luiz Turatti (SP)

14h45 – Tratamento agressivo da dislipidemia: Quando, Como e para Quem?
Coordenador: Éder Quintão (SP)
– Diminuindo o LDL: Quais níveis devemos atingir e como atingir os menores níveis?
Tânia Martinez (SP)
– Aumentando o HDL colesterol: Uma nova ou melhor opção terapêutica?
Marcelo Bertolami (SP)
– As estatinas e AAS devem ser prescritos para todos os pacientes portadores de DM2?
– Sim – Simão Lottenberg (SP)
– Não – Hermes Xavier (SP)
– É tempo da polipílula?
– A visão do endocrinologista – Daniel Lerário (SP)
– A visão do cardiologista – Daniel Branco de Araújo (SP)
Debate

17h15 – Visita à exposição

17h30 – O avanço da terapêutica está facilitando na prática clínica a obtenção dos alvos clínicos e laboratoriais?
Coordenadores: Luiz Turatti (SP) e Marília B. Gomes (RJ)
– A visão do endocrinologista – Bernardo Léo Wajchenberg (SP)
– A visão do cardiologista – José Antonio Ramires (SP)


 


comentários

assine nossa newsletter

nome

e-mail

especialidade