09 de setembro de 2013
  • compartilhar:

Descoberta


Pesquisadores da Escola de Medicina de Yale identificaram um mensageiro químico no intestino que liga cronicamente dietas ricas em gordura para padrões de atividade cerebral que incentivam a obesidade. A descoberta não só fornece aos pesquisadores informações de como o corpo processa as recompensas mentais de alimentos, mas também pode ajudar no tratamento de outras doenças relacionadas ao abuso de substâncias. O estudo foi publicado na revista Science, no último mês.

Pesquisas anteriores já estabeleceram que dietas ricas em gordura podem levar tanto à redução de níveis de atividade da dopamina no centro de recompensa do cérebro quanto à redução da síntese de um mensageiro lipídico de supressão chamado OEA . Com a função da dopamina reduzida, determinadas experiências, como o consumo de alimentos, podem ficar subjetivamente menos gratificantes, e esses indivíduos passam a compensar essa deficiência, buscando mais da recompensa – como comer mais comida.

Para investigar a relação entre a dopamina reduzida e atividade OEA, os pesquisadores administraram OEA em ratos em dietas de alto teor de gordura. Esses ratos tiveram a resposta à dopamina restaurada e aumentaram a probabilidade de uma dieta menos gordurosa.

A pesquisa ainda é inicial e precisariam outros estudos na área, mas o que torna a descoberta interessante, segundo especialistas, é que o intestino passaria a ter um importante papel sobre o cérebro: o intestino passaria “a dizer” ao cérebro como agir e não o contrário.

Saiba mais: http://goo.gl/6Hmogv


comentários

veja também

assine nossa newsletter

nome

e-mail

especialidade