10 de outubro de 2012
  • compartilhar:

Anorexígenos Voltam ao Debate na Câmara dos Deputados

Anorexígenos Voltam ao Debate na Câmara dos Deputados
Por Sandra Malafaia

Um ano após a proibição dos anorexígenos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o assunto voltou ao debate, na tarde de ontem, em audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília. A Dra. Rosana Radominski, presidente da ABESO, esteve presente, representando também a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

O motivo do debate, segundo a deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) – uma das requerentes da audiência junto com a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) – foi a existência de um Projeto de Lei em avaliação na Comissão de Seguridade Social, que pretende retirar da Anvisa o poder de vetar remédios no Brasil.

Também participaram do debate outros profissionais da área médica, especialistas e parlamentares. 

O primeiro a se pronunciar foi o Dr. Dimitri Homar, representante do Conselho Federal de Medicina, que agradeceu a oportunidade de alertar sobre o problema da retirada dos medicamentos antiobesidade do mercado brasileiro.

“A obesidade é doença crônica e tem várias causas. Cada causa requer o uso de um remédio adequado e, na maioria das vezes, é necessário um anorexígeno”, afirmou, acrescentando: “nós sabemos a realidade dos pacientes, não cuidamos apenas de papéis”.

O Dr. Dimitri declarou que a obesidade está crescendo no país, assim como as doenças causadas por ela, e que estão tirando a autonomia do médico e do paciente.

“O que será da saúde do Brasil daqui a 5 ou 6 anos? Nós alertamos sobre tudo isso nos outros debates, mas não fomos ouvidos”, completou.

Nutrologia

Em seguida, a palavra foi dada ao Dr. Paulo Giorelli, da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). “Dieta e exercícios não resolvem o problema de todos os pacientes”, afirmou.

Ele mostrou três grupos de pacientes que emagreceram com dietas, mas voltaram a engordar e lembrou que baixar 10% de peso já evita muitas outras doenças. E ressaltou: “Isso não é um posicionamento meu. O CFM, que é um órgão maior, e as sociedades médicas são favoráveis aos medicamentos”.

Finalizando, o Dr. Giorelli “levantou a bola” de que, nos Estados Unidos, existe a venda dedietilpropiona, que é o mesmo que anfepramona. E questionou o porquê da dipirona, por exemplo, ser proibida em 16 países e não no Brasil.

Logo depois, a Dra. Rosana Radominski iniciou sua apresentação, reafirmando que, como endocrinologista e professora de nutrologia, acredita nos anorexígenos.

A presidente da ABESO exemplificou os vários tipos de obesidade com relação àadiposidade em diferentes locais do corpo.

“A obesidade é uma doença crônica progressiva. Sabemos que atividade física ealimentação adequada são fundamentais, mas não são suficientes para 50% das pessoas. Se mudança no estilo de vida não resolver, devemos ir para amedicação”, frisou.

A Dra. Rosana salientou sobre o aumento do uso de medicamentos off-label, desde a proibição da Anvisa, e afirmou que “o uso correto da medicação antiobesidade melhora, sim, a qualidade de vida do paciente”.

Também se pronunciou a favor dos anorexígenos o assessor técnico do Conselho Federal de Farmácia, José Luiz Maldonado.

Oposição

Em oposição aos demais convidados, a Anvisa foi defendida pelo Dr. Francisco Paumgartenn, coordenador da Câmara Técnica de Medicamentos da Agência.

Segundo ele, a proibição dos inibidores de apetite se deve ao fato de que esses medicamentos não alcançaram o seu objetivo de reduzir doenças associadas à obesidade e ao sobrepeso e que os efeitos negativos podem provocar infartos e derrames.

Antes de abrir para os debates,o presidente da Comissão de Seguridade, deputado Mandetta (DEM-MS), disse ter sentido a falta do presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, numa audiência como essa e afirmou que pretende ouvi-lo em um outro debate.

Mandetta criará, nesta quarta-feira, dia 10, um grupo de trabalho para analisar os fatos que levaram a Anvisa a proibir a venda dos inibidores de apetite e as consequências dessa proibição para a saúde da população.

A favor dos medicamentos antiobesidade também falaram os deputados Felipe Bounier, Alice Portugal e Jô Moraes.

Na opinião da Dra. Rosana Radominski, os especialistas a favor dos anorexígenos ganharam um ponto com o debate. No entanto, ela revelou não ter muitas esperanças, a curto prazo, para a resolução desse problema da falta de medicamentos, que tanto está afetando as pessoas obesas.

Leia Mais:
Proibição de Emagrecedores Gera Polêmica em Audiência
ABESO em Debate sobre Proibição de Anorexígenos na Câmara
Anvisa Retira Anorexígenos e Mantém Sibutramina


comentários

veja também

assine nossa newsletter

nome

e-mail

especialidade